Resumo da matéria: FC Barcelona vs. FC Porto

26/08/2011

Mais logo, a equipa vai ter de jogar ao meiinho, correr atrás da bola e ganhá-la, perdê-la logo de seguida sem ser capaz de organizar nada, tornar a correr atrás dela, olha um passe rasgado, é só o Villa que corre isolado, Helton agarra!

Depois, aquele baixinho, passinho curto, agarra na bola, passa um, dois, três, quatro, isola Pedro que cruza e Helton agarra! O meiinho tem o dom de irritar qualquer equipa, a partir de certa altura, já só interessa agarrar a bola de qualquer forma, ou então aliviar a pressão e depois, adormecidos, parece que jogamos com os olhos, esquecendo que há caminhos que nós não vemos e que eles descobrem e pior usam. É sabido que a posse de bola tem um nome – Barcelona – e que para vencer, o FC Porto tem de saber muito bem o que fazer com ela e rapidamente, pois o destino é a bola voltar aos jogadores do Barça. Então, querido Hulk, está atento, pois quando a receberes, não tens um segundo, tens um centésimo para decidir, para arrancar, para disparar e depois podes comemorar como quiseres.

Mas é suficiente apenas um golo? Não! Nunca os gigantes tombaram com apenas um golpe! Como fazer então? Ferido, será ainda pior, tão terrível que vai parecer melhor não ter molestado o adversário! O que parecia lento, entorpecedor, vai tornar-se rápido e mais ainda, com uma rotação que não parecia possível, o meiinho alternará com os lançamentos, desmarcações e a velocidade faz falhar as pernas. Mas como acabará tudo isto?

Não sei! Decidam vocês, sejam mais do que aquilo que podem! Sejam super-heróis!

Anúncios

FC Porto 5 SL Benfica 0

07/11/2010

Resultado de sonho, de uma equipa forte e eficaz como há muitos anos não aparecia pelo Dragão. Demonstração colectiva estrondosa, massacre puro e duro, é muito difícil e injusto destacar individualidades. O melhor FC Porto de sempre?


Enorme azul e branco!

10/08/2010

Sempre que começa uma época é preciso lembrar que não importa tanto quem são os intérpretes mas bastante mais o maravilhoso espírito inspirador da genialidade que contagie os jogadores. Para ver e rever!


Hulk, em que ficamos?

12/09/2009

Sei bem que não teria um décimo da paciência de Hulk, se tivesse que passar um jogo a sofrer com as deslealdades dos adversários. Ainda por cima, quem deve decidir com justiça nem sempre o faz, o que iria complicar ainda mais as coisas. Mas Hulk é pago para tudo isso, e tem de o entender! Tem também de perceber que os jogadores que protestam, que levantam os braços, que confrontam as decisões do juiz, não vão muito longe! Isso vai apenas virar e influenciar as futuras decisões e facilita bastante o trabalho do adversário, que tem uma missão clara: o homem não pode passar e tem de ser irritado.

Os grandes jogadores passam por estas fases, e se estas se prolongam demasiado, a solução não pode ser mais simples: banco. Estabilidade emocional, capacidade de sofrimento, espírito de equipa: é isto que Hulk tem de melhorar bastante. De uma vez por todas tem de abandonar o papel de Calimero, que clamando injustiça, não consegue demonstrar tudo aquilo de que é capaz.

Para mal de todos nós, o número 1 do mundo, tem assumido esse papel nos joguitos que faz pela selecção, e naturalmente não tem ganho nada com isso. E pior não há ninguém lá dentro que lhe diga isso frontalmente.

No FC Porto há!


Hulk – o regresso

09/05/2009

Indestrutível, regressa para fazer o que melhor sabe. Pregar adversários ao relvado, arrancar vertiginosamente e disparar com estrondo. Começa agora a fase dois da aprendizagem: há adversários mais leais do que outros!

hulk


Foi você que pediu um tetra?

09/05/2009

Imparáveis, os azuis vão mais uma vez lembrar a quem não sabe, o significado do prefixo tetra. No próximo ano, relembraremos um outro prefixo ou talvez não!


Académica vs FC Porto

19/04/2009

Capaz, sólida e segura. Muito bem! É preciso dizê-lo e logo é preciso demonstrá-lo. A aproximação momentânea do Sporting torna evidente que o mais pequeno deslize paga-se muito caro. Em cada jogo tem de se ser candidato, falhar deita tudo a perder. As estatísticas valem pouco!