FC Barcelona 2 FC Porto 0

26/08/2011

Levem lá a taça, carago!

Anúncios

FC Porto 2 Vitória SC 1

08/08/2011

Já a sério, vale a pena fazer algumas considerações sobre o regresso de uma equipa que quer continuar na senda de vitórias que iniciou na época passada. Forte do meio campo para a frente, cedo impôs a sua lei e levou a bola para o único caminho possível – o fundo da baliza. Alguma precipitação em fazer tudo muito rápido, marcou também a diferença para a época anterior, onde o jogo pausado pelo controlo seguro da bola transmitia maior confiança e permitia uma circulação de bola mais eficaz. É verdade que com esta pressão/velocidade e com maior certeza de passe, não vai ser fácil parar esta equipa que do meio para a frente parece ter soluções para tudo. E ainda falta chegar mais gente. Atrás, os erros cometidos são para aprender, mas não deixa de ser preocupante aquilo que, com um adversário mais capaz, teria tido seguramente outras consequências. Enfim tudo bastante normal e até a arbitragem começou nesse plano ou não ficasse por assinalar 3 faltas dentro da grande área. As equipas fortes têm de resolver os seus problemas sem ligar muito a este tipo de pormenores, o pior será quando as bolas não entrarem. Mais um título; pois então! E se Vítor Pereira usa e abusa de advérbios de modo, cá vai o que melhor se adapta à situação: vitormente!


2011

27/12/2010


Enorme azul e branco!

10/08/2010

Sempre que começa uma época é preciso lembrar que não importa tanto quem são os intérpretes mas bastante mais o maravilhoso espírito inspirador da genialidade que contagie os jogadores. Para ver e rever!


Benfica 0 FC Porto 2

07/08/2010

O plano de vôo foi plenamente cumprido. Uma equipa unida, coesa e solidária a atacar e a defender. Uma estrutura que poucas vezes se mostrou transponível e uma pressão sobre a bola a que já há muito tempo não se assistia. Além disso, sempre que tinha a bola, a intenção de atacar estava sempre lá, com boas propostas e capacidade de chegar à baliza. A missão – marcar cedo e manter uma pressão muito alta no início de jogo – teve pleno sucesso e prolongou-se o mais possível. Segunda parte, bastante convincente, cortando quase todas as linhas de passe e mantendo clara, a vontade de atacar e marcar. Tacticamente perfeita, faltou maior concentração no centro da defesa e menor precipitação quanto à decisão de atirar à baliza.